Como atender pessoas com deficiência no mercado de consumo?

3 minutos para ler

Nunca a pauta sobre diversidade e inclusão esteve tão em alta como nos últimos tempos. Além das leis que estão cada vez mais rígidas em relação à aplicação da acessibilidade, a população também tem participação ativa no movimento inclusivo e tem lutado em favor dos direitos das PCD. Ainda assim, pessoas com deficiência no mercado de consumo enfrentam no seu dia a dia falta de acessibilidade a serviços, ambientes e produtos devido à ausência ou má implantação dos recursos de acessibilidade.

A sua empresa está preparada para que PCD sejam atendidas de acordo a sua necessidade, em igualdade de atenção, se comparado aos demais consumidores?

Se a resposta é não ou você não tem certeza, fique tranquilo! Reuni 5 dicas para que você possa começar a implantar um programa de atendimento a pessoas com deficiência na sua organização. Confira!

Treine sua equipe

Para receber pessoas com deficiência na empresa, é fundamental que a equipe esteja preparada para atendê-los. Gestores devem explicar a importância do atendimento inclusivo e promover treinamentos específicos para cada tipo de atendimento requerido pelos vários tipos de deficiência.

Treine sua equipe para atender deficientes auditivos, visuais, intelectuais, físicos e com mobilidade reduzida. Além disso, explique a importância do atendimento personalizado.

Cuide a comunicação visual

As placas de sinalização que identificam que seu estabelecimento está preparado para atender PCDs é um dos primeiros indícios que demonstram que este ambiente é inclusivo.

Tanto no ambiente interno como externo, a sinalização visual é fundamental tanto para a pessoa com deficiência como para os funcionários, assim todos poderão respeitar os espaços reservados para PCDs.

Adapte a estrutura arquitetônica

Não adianta treinar a equipe, cuidar da comunicação interna, cumprir a Lei de Cotas e seu estabelecimento não permitir que as pessoas possam acessá-lo, não é mesmo?

Todos os projetos de construção, arquitetura e urbanismo precisam estar adaptados à Lei Nº 10.098, conhecida também como Lei da Acessibilidade.

Criar rampas de acesso, adequar banheiros, dispor de corrimãos e outros recursos de acessibilidade são fundamentais para o bom atendimento das PCDs. Você pode ver mais detalhes na lei ou mesmo contratar uma empresa especializada no assunto.

Utilize a tecnologia

A tecnologia atualmente é um dos maiores meios facilitadores na comunicação com pessoas com deficiência.

Através de e-mails, mensagens de textos, vídeos e aplicativos, temos quebrado a barreira da comunicação e promovido a inclusão dessas pessoas nos ambientes sociais e corporativos.

Contudo, é importante saber que a implementação da tecnologia como meio de comunicação com pessoas com deficiência não substituiu o contato e a empatia humana na hora do atendimento.

Auxiliar os cegos para que possam se locomover com segurança no seu estabelecimento, promover espaços adequados para a movimentação de pessoas com mobilidade reduzida e dispor de um intérprete de Libras para comunicação com surdos são alguns recursos essenciais para compor o quadro de atenção à pessoa com deficiência.

Nós, da Signum Web dispomos de uma plataforma online que conecta intérpretes credenciados de Libras com deficientes auditivos, facilitando a comunicação nas empresas que ainda não têm intérpretes em seu quadro de funcionários.

Conheça a SignumWeb

Entre em contato conosco e conheça mais sobre os nossos serviços e como podemos ajudar a atender pessoas com deficiência no mercado de consumo.

Posts relacionados

2 comentários em “Como atender pessoas com deficiência no mercado de consumo?

Deixe um comentário