Alfabeto em Libras – entenda a sua função

4 minutos para ler

Algumas pessoas acreditam, equivocadamente, que podem se comunicar com o surdo usando apenas o alfabeto em Libras. É preciso desmistificar isso.

Seria o equivalente a dizer que podemos conversar em inglês ou português usando apenas o alfabeto dessas línguas, sem necessidade de utilização das palavras, algo obviamente impossível.

Para melhorar a compreensão e superar os preconceitos convidamos o leitor a analisar este post, no qual trataremos não somente do alfabeto, mas também sobre a Língua Brasileira de Sinais.

Aproveitamos também para apresentar esse alfabeto, na imagem criada e gentilmente cedida por tikinhoramon, um maravilhoso cartunista surdo.

O que é Libras?

Para entender como funciona o alfabeto em Libras é preciso entender um pouco sobre essa língua tão rica e complexa quanto qualquer outra.

Começaremos pontuando o que NÃO é Libras. Ela não é uma cópia do português, não é mímica, não é um conjunto aleatório de sinais e sim uma língua com estrutura, semântica, sintaxe e gramática próprias. Enfim, todos os parâmetros necessários para que uma língua seja conceituada como tal.

O que é o alfabeto em Libras

É um conjunto de 27 sinais manuais, realizados em diferentes configurações de mãos, que representam as letras do nosso alfabeto, ou seja, que foram tomados de empréstimo do português.

Já que Libras é uma língua viso-espacial cuja grafia ainda está em construção, fez-se necessário a utilização desse artifício. Isso viabilizou a soletração de palavras cujos sinais ainda serão criados pelos surdos, validados e estabelecidos por toda a comunidade surda, como novos sinais em libras, assim como acontece com os neologismos em outras línguas.

Para termos uma dimensão dessa questão é preciso salientar que Libras é uma língua nova. Somente em 2002 foi oficializada como língua da comunidade surda brasileira, embora já venha sendo utilizada desde os tempos do império. Vale lembrar que foi D. Pedro Il quem trouxe da Europa essa forma de comunicação, para atender às necessidades de um familiar surdo

Qual a funcionalidade da datilologia ou soletração em Libras

O alfabeto em Libras são sinais datilológicos, ou seja, realizados com os dedos. Eles permitem a soletração de palavras cujos sinais ainda não existem em Libras, não foram convencionalizados e tornados de uso cotidiano e rotineiro dentro da comunidade surda.

Para se ter uma ideia, na língua de sinais existem entre 14 a 15 mil sinais, enquanto em português temos cerca de 600 mil palavras. A discrepância é enorme, mas é possível compensá-la. É sabido que além dos sinais essa língua recorre a outras estratégias, comumente chamada de parâmetros. São os movimento do corpo e as expressões não manuais, que mudam, por exemplo, os tempos verbais em Libras.

Como a comunidade surda usa esse alfabeto

A comunidade surda utiliza o alfabeto de forma adequada, com parcimônia, porque consideram cansativo e pouco produtivo um diálogo baseado apenas na produção desses sinais. Usam, por exemplo, para se referir a pessoas, endereços, cidades, siglas ou palavras para as quais desconhecem um sinal em Libras e até que sejam criados, como já falamos.

Sem a datilologia muito da comunicação em Libras ficaria truncada, mas seu uso exagerado pode surtir um efeito muito ruim.

Agora que você já sabe, vamos ajudar a disseminar esse conhecimento? Curta e compartilhe, ajudando a reduzir o preconceito que envolve essa língua. Entre em contato com SignumWeb e esclareceremos mais sobre esse assunto.

Posts relacionados

Deixe um comentário