7 dicas para que a sua empresa saiba como entender o surdo.

6 minutos para ler

Aqui você terá acesso a sete dicas para que a sua empresa saiba como entender o surdo, facilitando as vendas para esse público.

A Sua empresa quer vender para o cliente surdo, mas está diante de um brasileiro que não fala fluentemente o português. O que fazer? Afinal, todos os seus clientes são bem-vindos e não será uma barreira de comunicação que vai impedir de atender com excelência essa parcela da população.

Quer saber como isso é possível? Então vem comigo e entenderá como é fácil oferecer acessibilidade comunicativa e assim acolher adequadamente o cliente surdo.

1. Para que você saiba como entender o surdo comece entendendo que ele gosta de ser chamado de surdo mesmo.

Entenda que o surdo gosta de ser chamado de surdo mesmo. Isso não é ofensivo. Muito antes pelo contrário. É a sua condição na vida. Só não vale se referir a ele como surdo-mudo. Afinal a maioria deles consegue emitir sons, embora soe estrando aos nossos ouvidos.

O que acontece é que a ausência da audição impede que eles modelem o som da própria voz, como nós fazemos. Aliás, saiba que o surdo usuário de Libras FALA, usando os sinais de Libras, a sua língua materna.

Sim, isso é falar! Libras é uma língua e o surdo fala em Libras, uma língua que ouvimos visualmente. Você consegue “ouvir” Libras?

2. A língua do surdo não é uma mímica e não é uma língua universal.

É bom ficar atento à essa realidade. Libras não é mímica e não é uma língua universal. É uma língua reconhecida por lei como Língua de uso da comunidade surda, no Brasil.

Libras é um conjunto organizado de sinais criado e validado, tal qual acontece com línguas como o inglês, o francês e o Português. E cada um desses países tem a sua própria língua de sinais. Se o português não é universal, por que Libras seria?

Outra coisa importante é que saber alfabeto manual não resolve o problema da comunicação entre surdos e ouvintes. Os surdos usam-no com moderação, apenas para indicar nomes de ruas, nomes próprios, palavras cujos sinais são desconhecidos, até que sejam criados neologismos, tal qual acontece com qualquer outra língua. Em suma, é muito cansativo tentar estabelecer um diálogo pautado na datilologia, como é chamado o uso do alfabeto em Libras.

3. Perceba que o surdo usa o corpo todo para se comunicar.

É comum as pessoas pensarem que os surdos falam com as mãos. Isso não está errado. Entretanto é preciso entender que o corpo todo fala, seja um mover de ombro para frente ou para trás, indicando o tempo verbal passado ou futuro, seja um leve ou forte arquear das sobrancelhas, dando intensidade ao que está sendo falado.

É com o uso de expressões corporais e faciais que o surdo traz para o seu texto sinalizado todas as dúvidas. É assim que ele manifestará seus receios, seus medos, sua ansiedade, sua alegria. Enfim, aquilo que às vezes os ouvintes enxergam como caretas podem ser, na verdade, as exclamações ou as interrogações presentes na fala do surdo.

Ah! Não posso esquecer de falar que, como na nossa língua, existem expressões regionais, gírias em libras, próprias de cada região do nosso país. Não é assim também como o português? Interessante, não é?

4. O surdo não tem atraso mental.

Outro equívoco terrível é imaginar que o surdo, por não oralizar conforme nossos padrões, sofreria de retardo mental. Sim! Por incrível que pareça ainda existem pessoas que pensam assim. Salvo exceções, a inteligência do surdo está intacta. Ele não entende perfeitamente o português porque é uma língua estranha para ele.

Nós não entendemos mandarim porque não fomos expostos à essa língua e nem por isso somos classificados como deficientes intelectuais.

Os surdos brasileiros, pelo fato de não terem acesso natural à nossa língua oral, têm dificuldade de dominar a nossa língua. Dessa forma, tal qual um estrangeiro, tende a levar para o português a lógica da Libras, a estrutura dessa língua que lhes dá maior conforto.

5. Entenda que o surdo pode interagir com os ouvintes.

Os surdos estão cada vez mais inseridos no universo dos ouvintes. Com a remoção das barreiras de comunicação eles podem estudar e interagir com o auxílio de intérpretes. Podem aprender o português na modalidade escrita e entender as nuanças dessa língua.

Você entende que o português é uma língua complexa até para nós, que a ouvimos desde o ventre materno? Quantas vezes escorregamos na gramática e precisamos fazer revisões? Lembrando disso fica mais fácil entender como é difícil para o surdo, entender a nossa língua.

6. Saiba como se formam os sinais em Libras.

Saiba como se formam os sinais em Libras. Eles são compostos por cinco parâmetros:

Configuração de mãos – posição das mãos e dos dedos para formar os sinais.

Localização – região do corpo ou do espaço à sua frente, onde os sinais são realizados.

Direção – Se o sinal é voltado para si mesmo (o falante) ou para fora.

Movimento – são os movimentos feitos com as mãos (pulso, punho) e com o corpo.

Espaço – mudando a localização do corpo no espaço ou com apenas um movimento de ombro para direita ou para esquerda, é possível indicar qual personagem está falando, quando uma história é contada, por exemplo.

7. Acolha adequadamente, saiba como entender o cliente surdo.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre os surdos, pode entendê-lo e atendê-lo adequadamente.

Agora que você entendeu que a língua dos surdos não é mímica, já sabe também que não será com um rápido treinamento que a sua equipe estará apta para atender um surdo e a sua empresa inclusiva, pronta para essa comunidade.

A SignumWeb está disponível para esclarecer como acolher adequadamente o surdo. Vamos?

Posts relacionados

Deixe um comentário