Línguas de sinais usadas em diferentes países do mundo Línguas de sinais usadas em diferentes países do mundo

Línguas de sinais usadas em diferentes países do mundo

4 minutos para ler

Línguas de sinais usadas em diferentes países do mundo

Houve um tempo em que os surdos eram excluídos do convívio social. Tratados como incapazes. Eram impedidos de estudar, trabalhar e se relacionar com outras pessoas. Felizmente, isso já não é mais realidade! As línguas de sinais exercem um papel decisivo na inclusão de pessoas surdas na sociedade. Saiba mais:

Línguas de sinais usadas em diferentes países do mundo
Imagem: Wikimedia Commons

Essa importância foi reconhecida pela ONU, que anunciou recentemente o dia 23 de setembro como o Dia Internacional da Língua de Sinais. A data faz parte da Semana Internacional dos Surdos. E foi criada após um pedido da Federação Mundial dos Surdos ou, em inglês, World Federation of the Deaf (WFD). Na ocasião, o presidente da WFD, Colin Allen, disse que “esta resolução reconhece a importância da língua de sinais e dos serviços em línguas de sinais estarem disponíveis para os surdos o mais cedo possível. Também enfatiza o princípio de nada sobre nós sem nós em termos de trabalhar com comunidades de surdos”.

Não existe uma língua de sinais universal. Como acontece com as línguas faladas, as línguas gestuais mudam de acordo com a região. Estima-se que existam mais de 200 línguas de sinais diferentes pelo mundo. Cada uma se aproveita da sua cultura para estabelecer os gestos que serão aplicados para cada palavra ou frase.

As línguas de sinais pelo mundo

Assim como o português, por exemplo, as línguas gestuais são aprendidas de forma natural pelo surdo… Se ele for exposto a essa forma de comunicação desde cedo. Elas também possuem códigos e regras como qualquer outra língua. Se uma pessoa surda for visitar outro país, ela terá que aprender ou ao menos ter uma noção básica da língua de sinais do local.

No Brasil, temos a Libras – Língua Brasileira de Sinais, que no ano de 2002 foi reconhecida oficialmente como a língua da comunidade surda do país. Em Portugal, a comunidade surda se comunica por meio da LGP (Língua Gestual Portuguesa), que também é reconhecida como uma língua oficial… Sendo usada por cerca de 30 mil pessoas. Apesar de compartilharem semelhanças na língua portuguesa, os dois países apresentam diferenças na língua de sinais.

Também existem a LSE (Língua de Sinais Espanhola), a LSM (Língua Mexicana de Sinais). A LAS (Língua Angolana de Sinais), a LMS (Língua Moçambicana de Sinais) e muitas outras. É interessante que, da mesma forma que a língua oral apresenta diferenças regionais e dialetos, a língua de sinais também é influenciada por essas alterações.

Comunicação é essencial para inclusão

Como todas as línguas, as línguas de sinais são extremamente ricas. E garantem que pessoas surdas possam se comunicar sobre todos os assuntos. Infelizmente, ainda existe muito preconceito e diversos surdos relatam sentir constrangimento ao usar a língua de sinais em público. Entretanto, a conscientização está aumentando! E cada vez mais pessoas percebem que não existe uma língua superior a outra. Todas merecem ser valorizadas e respeitadas.

A língua de sinais é essencial para a inclusão de pessoas surdas nas universidades, em diferentes campos de trabalho e também na vida cultural, social e política na sociedade. Aqui, na SignumWeb, nós acreditamos que a comunicação é indispensável. E você?

Posts relacionados

12 comentários em “Línguas de sinais usadas em diferentes países do mundo

    1. Sou professora do AEE,e procuro sempre está apta e renovada sobre as possibilidades de aprender e renovar as formas de se trabalhar com nossos alunos

  1. Na minha santa ignorância , acho uma insanidade que cada país invente uma língua de sinais .perdendo a oportunidade de existir uma língua universal .

    1. Olá Valdir! Agradecemos seu comentário e entendemos seu questionamento, mas pensa… não seria o mesmo que desejar uma língua oral universal? A língua de sinais funciona assim também. Uma para cada país, porque é a comunidade surda de cada país que cria cada novo sinal, como é a comunidade ouvinte de cada país que cria novas palavras. Abraço

  2. Olá eu sou o Maikel, eu estudo na escola para surdo, o nome da minha escola é APADA, lá eu estudo libras com a professora raquel

  3. Oi a todos, minha tia e surda por motivos de uma meningite que teve quando crianca, passou por muitas dificuldades e so foi descoberto sua deficiencia auditiva quando tinha 14 anos, uma amiga que tambem teve meningite, nao consegue falar e nunca tinha estudado a lingua de sinais, aqui nos EUA, eu, o esposo dela procuramos formas para ela aprender, ja minha tia fala perfeitamente, mais aprendeu com leitura labial.
    Eu estou cursando a Licenciatura de Letras e Pedagogia e tenho que fazer um portifolio a respeito da lingua de sinais no Brasil, eu moro nos EUA a 15 anos, tenho que apresentar situacoes praticas.
    Se for possivel alguns de voces me enviarem ideias e opinioes a respeito do que se precisa para inplantarmos a lingua de sinais desde a Educacao Infantil, a concientizacao da sociedade no geral. Agradeco a colaboracao, podem enviar por email, obrigada.

  4. Olá!
    Sou professora de alunos surdos, séries iniciais do Ensino Fundamental, na cidade de Novo Hamburgo-RS e também sou intérprete de Libras em uma escola de ouvintes com surdos incluídos no Ensino Médio. Gostaria de ter sinais de outros países que falam Inglês, Espanhol porque, eles tem essas disciplinas na escola e penso que é necessário saberem os sinais dos surdos desses países. Obrigada.

    1. Olá Fátima,

      Obrigada pelo seu contato. É linda a sua vontade de incluir verdadeiramente os surdos.
      Infelizmente temos muito poucas pessoas no Brasil que falam a língua americana de sinais. E não conheço ninguém que fala a língua Espanhola de sinais. Podemos desenvolver uma pesquisa para descobrir isso.
      Por falta de contato com surdos que falam essas línguas, provavelmente os alunos esqueceriam rápido. Mas sim, seria mesmo muito interessante ensinar e entraria como uma curiosidade. Acho que os alunos iam amar.

Deixe um comentário