12 comportamentos inclusivos das empresas com os surdos 12 comportamentos inclusivos das empresas com os surdos

12 comportamentos inclusivos das empresas com os surdos

4 minutos para ler

12 comportamentos inclusivos das empresas com os surdos

Será que a sua empresa sabe lidar e se relacionar com a pessoa surda? Não tem segredo… Os tabus impostos pela sociedade devem ser quebrados. Já postamos aqui sobre a relação ideal entre a sociedade e o surdo. Agora, descubra outros 12 comportamentos inclusivos básicos! Todos eles em relação aos surdos usuários de Libras. Visando LADIS – Liberdade, Autonomia, Dignidade, Igualdade de condições para os Surdos, lema da SignumWeb. Saiba mais!

12 comportamentos inclusivos empresa-surdo

12 comportamentos inclusivos das empresas com os surdos
Imagem: Creative Commons

1- Na educação: torná-la de fato inclusiva, adotando medidas para que as escolas sejam bilíngues para todos os alunos… Surdos e ouvintes, já que o Brasil possui duas línguas reconhecidas em lei: português e Libras.

2- Em realização de concursos públicos e ENEM: a prova deve ser disponibilizada em Libras. Ou o surdo deverá contar sempre com um interprete presencial ou virtual. Conforme sua opção.

3- No mercado de trabalho: contratação de empregados surdos para todo e qualquer cargo em que esses candidatos estejam qualificados. Não somente para subempregos, como acontece atualmente. Ou apenas para preencher as vagas PCD. E sim com a adoção de medidas que permitam a superação das barreiras da comunicação.

4- Na justiça: toda demanda de surdo deverá acontecer com a intermediação de intérpretes de Libras. Seja de forma presencial ou através do uso de plataformas de videoconferência. Como a que é disponibilizada pela SignumWeb, em que os intérpretes são chamados virtualmente.

5- Nos hospitais e consultórios médicos: o surdo informará livremente as suas dores, os seus sintomas e terá acesso às informações sobre diagnóstico, prognóstico e prescrições médicas. Tudo com um intérprete de Libras. Sem necessidade de levar acompanhantes, com consequente perda de privacidade.

6- Na rede hoteleira: o surdo acessará todo o serviço e se comunicará livremente. Sentindo-se confortável nas suas intermediações com os servidores de todo e qualquer hotel onde estiver hospedado.

Mais dicas

7- Na rede bancária: todas as informações e serviços devem ser disponibilizados também em Libras, por meio de intérpretes profissionais e proficientes em Libras. De forma virtual, por videoconferência, permitindo que o surdo acesse sem a necessidade de acompanhante e consequente perda de privacidade.

8- Nas igrejas: cultos ou missas realizadas sempre com a presença de intérpretes, sejam presenciais ou virtuais.

9- Em lojas e shoppings: respeitar a livre circulação e a realização de compras, disponibilizando dispositivos em que o surdo possa chamar o intérprete virtual. E estabelecer a comunicação com vendedores no mesmo nível de um ouvinte. O surdo também é consumidor, como qualquer outra pessoa.

10- Em parques de diversão públicos ou privados: o surdo deve ter acesso às informações necessárias no mesmo nível de necessidade dos usuários ouvintes.

11- Em toda a programação cultural, televisiva e no cinema: utilização de janelas de Libras, respeitando as normas que preveem tamanho e disposição adequada em tela… De forma que o surdo enxergue adequadamente ou, melhor ainda, um dispositivo que funcione de forma semelhante ao closed caption. Em que o surdo acione e coloque a imagem em tela dupla, ou, conforme o caso, com a presença de intérpretes presenciais.

12- Em todo e qualquer outro espaço por onde um surdo circular: buscar implementar medidas que promovam a acessibilidade irrestrita do cidadão surdo, principalmente o usuário de Libras.

Posts relacionados

Deixe um comentário