Ouvintismo: o preconceito contra o surdo precisa parar!

Existem, em todo o mundo, alguns movimentos sociais pela valorização da surdez… Agora entendida como diferença e não somente uma deficiência, uma condição patológica, um déficit sensorial, uma falta, uma incompletude. O objetivo desses movimentos é promover a libertação do ouvintismo, que tenta “normalizar” o sujeito surdo pela imposição da fala.

Ouvintismo: o preconceito contra o surdo precisa parar!
Imagem: Divulgação/UFSM

Para começar, pretende-se que seja dado à LIBRAS o estatuto de língua natural. E que deixe de ser percebida como simples gestos ou como um conjunto de mímicas. Pesquisas linguísticas já atestaram a complexidade e a riqueza da Língua Brasileira de Sinais em sua morfologia, sintaxe e pragmática.

Para entender isso é preciso fazer distinção entre língua e fala. A existência de uma língua, seja na modalidade oral-auditiva ou na modalidade viso-espacial, garante ao sujeito o acesso ao pensamento lógico, aos esquemas superiores e aos aspectos cognitivos que nos tornam humanos.

A língua é realmente o grande elemento em destaque na história da surdez! Reconhecida a língua, segue-se o reconhecimento da cultura surda, já que uma língua determina uma cultura. No Brasil, a surdez conseguiu sair da clandestinidade e ocupar um lugar na agenda política.

“A lei nº 10.436/2002, ratificada pelo decreto nº 5.626/05, oficializou a LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais, como meio legal de comunicação e expressão oriunda das comunidades de pessoas surdas do país, regulamentando o direito de uso e sua inclusão em instituições públicas e concessionárias de serviços públicos no Brasil”.

Agora faz-se obrigatória a presença de intérpretes de línguas de sinais em repartições públicas, nas produções culturais, nos espaços de formação e ensino, etc. Em vários outros países, porém, a luta pelo reconhecimento e oficialização das línguas de sinais ainda persistem… Como também a tentativa de cura e de “normalização” – o ouvintismo.

Nesses países (e muito ainda aqui no Brasil), persiste a tentativa ouvintista de trazer o surdo para o mundo dos sons, através de práticas de exaustivos treinamentos auditivos. De escolas e clínicas centradas na oralização. Nas terapias de reabilitação. Nos processos cirúrgicos de implantação de próteses que propõem a “cura” da surdez.

É preciso conhecer e acolher o desejo do surdo, seja ele qual for, pela oralização ou sinalização. Muitos deles têm sinalizado que querem continuar lutando pelo reconhecimento e valorização da sua cultura e pelo direito de partilharem espaços de convívio. E com a devida acessibilidade comunicativa, seja na educação, no mercado de trabalho ou em qualquer outro lugar.

Exceto por não ouvir, o surdo pode fazer absolutamente tudo!

 

Acessibilidade comunicativa

Conheça a SignumWeb você também! Oferecemos o serviço de intérprete virtual em tempo real. Confira!

Um comentário em “Ouvintismo: o preconceito contra o surdo precisa parar!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *