Dia das Crianças: brincar é coisa séria, principalmente para os surdos

Dia das Crianças: brincar é coisa séria, principalmente para os surdos

Hoje, a SignumWeb traz um post especial de Dia das Crianças.

Dia das Crianças: brincar é coisa séria, principalmente para os surdosA criança surda é, em geral, filha de pais ouvintes – não usuárias de LIBRAS, a Língua Brasileira de Sinais. E a consequência natural disso é a pobreza da interação comunicativa, que pode comprometer a construção da memória, da imaginação, da linguagem. Mas tudo isso pode ser minimizado pelo brincar!

Dia das Crianças: brincar é coisa séria, principalmente para os surdos
Imagem: Pexels

O brincar esteve presente desde sempre na história da humanidade, das mais diversas formas… Seja em atividades individuais ou coletivas, sempre de acordo com a cultura em que o sujeito está inserido. As brincadeiras ou atividades lúdicas são essenciais para a formação da estrutura mental da criança surda, para a organização do pensamento e da percepção da realidade externa. Para dar significados à vida cotidiana.

O que poderia ser classificado como passatempo ou distração, na verdade deve ser entendido como processo de construção do pensamento. Brincar, portanto, é coisa séria! Importante, especialmente, se o sujeito é surdo. E se ele está privado da ampla interação com o mundo, proporcionado pela ausência da função auditiva.

Dia das Crianças: a importância do “brincar”

Se a criança surda não for exposta ao ato de brincar, ao mundo do faz-de-conta, desde cedo, ela se tornará um adulto limitado. Que não saberá pensar, ressignificar a realidade, pouco inteligente, com imaginação escassa. Isso, aliás, é natural de acontecer, seja a criança surda ou ouvinte.

Brincar envolve construção de afeto, da linguagem consigo mesmo e com o outro. Envolve interação, portanto, e isso é essencial para qualquer pessoa, especialmente para a criança surda. Ao brincar fazemos uso de falas, de gestos, de mímicas, de expressões corporais que facilitam a interação… Seja consigo mesma, com um companheiro imaginário, com outra criança e até com adultos. Isso favorece o desenvolvimento integral, a saúde física e emocional da criança.

A criatividade deve ser ilimitada no momento de construir conceitos através do brincar. Aí a extrapolação daquilo que é concreto é possível, liberando a criança surda para a construção do seu mundo da imaginação. Repetir ações do cotidiano, similar ações vivenciadas ainda que somente no seu campo visual, permite construir uma diversidade de novos enredos, de infinitas possibilidades.

Precisamos estar atentos a isso e estimular a brincadeira. O brincar é libertador! Feliz Dia das Crianças!!

 

 

Um comentário em “Dia das Crianças: brincar é coisa séria, principalmente para os surdos”

  1. É preciso ter cotas para familiares de Pessoas com deficiência, pois muito Depende de Pais Surdos, esposa de Surdos, Filhos de Surdo para ser incluído no trabalho formal, pois muito tem dificuldades de entrar no Mercado de trabalho, com isso esposa também pode ajudar no orçamento familiar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *